A Viena de Hundertwasser
52908
post-template-default,single,single-post,postid-52908,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_updown,page_not_loaded,,borderland-ver-1.13, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,paspartu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Viena flerta com as cores e a modernidade

Viena

Viena flerta com as cores e a modernidade

Viajei para Viena afim de conhecer a obra do artista Hundertwasser, precursor dos ‘refits’, aquela repaginada que muda a cara dos edifícios e das casas. Amante das cores e das linhas orgânicas, Hundertwasser ansiava por dar vida nova aos feiosos, cinzentos e tristes edifícios da cidade.

Viena

Logo ao chegar, leio na fachada de um de seus mais emblemáticos prédios de Viena, uma frase que define a dimensão da vital necessidade de arte por ali: “para cada época sua arte. Para arte a liberdade”.

torta de chocolare

E, eu me pergunto se estou imbuída dessa liberdade. Afinal, viajei somente à procura de um artista cuja obra admiro. Então, resolvo que vou curtir tudo. Depois de arruar por todo lado, tenho em mente outra pergunta: consigo definir Viena em uma única palavra? Fácil: Música, apesar de Mozart ter nascido na vizinha Salzburgo, o compositor e Viena são indissociáveis. Mas, eu poderia associar Viena também a Cafés ou Castelos. Melhor ainda a Torta de Chocolate! Korrekt, certo. Alguém me assopra Cores? Ganz richtig, corretíssimo. Em Viena cor e arte estão por toda parte.

Viena

Pinturas vibrantes cobrem as laterais dos trens que viram um convite ambulante e instigam a conhecer as obras dos artistas austríacos nos museus da cidade.

Cores sobem pelas fachadas dos edifícios, alcançam tetos e até mesmo telhados. Nem a gigantesca usina de reciclagem de lixo, a Central Térmica de Spittelau, escapou da sanha colorista de Hundertwasser.

Estação de Reciclagem Spittelau

Estação de Reciclagem Spittelau

Agora vou conhecer mais sobre Friederich Hundertwasser (1928-2000). Há um singular museu que abriga suas obras, o Kunst Haus Wien. Em seu interior o piso é desnivelado e irregular, pois o artista afirmava que “na natureza não existe a linha reta”.

Em muitos edifícios de Viena, ele emoldurou janelas com alegres tons de rosa ou de azul, aplicou pastilhas, ladrilhos e diferentes elementos decorativos com desenhos ondulantes. Inventou sacadas, cúpulas em forma de cebolas, colunas que sugerem peças de um jogo de xadrez e ainda acrescentou divertidos ‘puxadinhos’.

o-beijo-gustav-klimt

Sabe o leitor por quê tantas cores pincelam Viena? Culpa dos sonolentos dias nublados do inverno que despertaram a fome de cor em artistas como Schiele ou Gustav Klimt, tido como o maior dos pintores do período art nouveau. Klimt na tela “O Beijo” irradia dos amantes um esplendoroso amarelo salpicado de grafismos, e ainda os envolveu em ouro puro.

vladimir-pervunensky-the-viennese-waltz-2007-e1269948812723-1

Antes de partir dessa bela cidade, reservei uma noite para assistir aos concertos. E, principalmente não deixei de ir aos bailes que acontecem nos amplos salões espelhados para dançar e rodopiar nas asas da valsa, essa vienense música “pictórica”.

Saiba mais: www.vienna.info

* Reportagem publicada originalmente no blog Viagens Plásticas do Viagem.Estadao

Você também poderia se interessar por:

A graça das cores de Mônaco

 

Heitor e Silvia Reali

Viajamos para namorar a Terra. E já são 40 anos de arrastar as asas por sua natureza, pelos lugares que fizeram história, ou pela cultura de sua gente. Desses encontros nasceu a Viramundo e Mundovirado.