Van Gogh
51926
post-template-default,single,single-post,postid-51926,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_updown,page_not_loaded,,borderland-ver-1.13, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,paspartu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Van Gogh – a propósito de uma orelha

Van Gogh

Van Gogh – a propósito de uma orelha

Van Gogh renasce sempre na mídia. Em nota publicada na UOL em 2/11, o pesquisador Martin Bailey defende a tese que o artista cortou sua própria orelha, quando soube do noivado do irmão. Ele teria receio que Theo não mais o pudesse sustentar.
Acredito ser muito pouco encontrar uma única razão para explicar a enigmática personalidade do pintor. Desconfio de um breakdown. Mas, e o episódio da orelha?

Van Rappard, um dos amigos mais chegados de Vincent, em Arles, dá seu testemunho logo após o incidente: “…o que Vincent desejava era uma arte grandiosa, e sua luta gigantesca para se expressar devia minar qualquer artista. Não creio que é possível resistir a uma tensão sentimental e nervosa tão constante.”

O incidente que culminou com o corte da orelha foi um somatório de:

1) nove ininterruptos meses de trabalho vigoroso. Nunca um artista em poucos meses produziu tantas obras primas.

2) se alimentava mal para que sobrasse grana para as tintas

3) fumava demais e bebia muito absinto,

4) estava com sífilis

5) havia colocado toda a esperança em um trabalho conjunto com Gauguim, mas o desencontro entre eles era imenso.

 

E, o bizarro episódio da orelha?

Este pode ser comparado ao costume da arena. Os artistas viviam em Arles, cidade francesa próxima à Espanha, onde eram comuns as touradas. Depois de matar o touro, o toureiro cortava a orelha do animal e presenteava a uma dama. Vincent, depois de cortar sua orelha a entrega para Rachel, uma prostituta.

No autorretrato com a orelha enfaixada, Van Gogh, veste uma boina muito semelhante a dos toureiros.

Você também pode se interessar por:

Van Gogh e a viagem de um quadro

Auvers-sur-Oise, e a viagem de Van Gogh

 

 

 

Heitor e Silvia Reali

Viajamos para namorar a Terra. E já são 40 anos de arrastar as asas por sua natureza, pelos lugares que fizeram história, ou pela cultura de sua gente. Desses encontros nasceu a Viramundo e Mundovirado.