Sorvete feito com gelo dos glaciais
52413
post-template-default,single,single-post,postid-52413,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_updown,page_not_loaded,,borderland-ver-1.13, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,paspartu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Sorvete dos Deuses

Sorvete de Ibarra

Sorvete dos Deuses

Os indígenas Caranqui e os Quéchua preparavam em tempos idos uma “sobremesa ritual” utilizando o gelo dos glaciais andinos. Os hieleros partiam de sua aldeia ainda na madrugada, escalavam a montanha durante horas enfrentando baixas temperaturas e ventos fortes até chegar as geleiras para retirar o gelo utilizado no divino manjar. Este elaborado acrescentando frutas e mel era servido em festividades especiais com a finalidade de reanimar o espírito.

Sorvete de Ibarra

Esse costume gastronômico ímpar perdura até hoje em várias cidades equatorianas. O ‘sorvete nevado’ virou paixão coletiva e não tem mais hora para ser consumido. Sua receita quase se perdeu, mas a tradição continua em Ibarra, a 100 km ao norte de Quito.
Na sorveteria Rosalia, ele é preparado na frente do freguês. A fruta vai dentro de uma bacia de bronze envolvida com o gelo retirado do vulcão Imbabura, sal grosso das minas e palha. Então é só bater vigorosamente que em segundos o sorvete estará pronto.

Sorveteria Rosalia

Agende-se:

A Sorveteria Rosalia, em Ibarra, produz o sorvete há 120 anos.
Atualmente, porém, em todo o Equador, apenas dois hieleros enfrentam o rude trabalho dessa tradição ibarreña.cajuzinho

Heitor e Silvia Reali

Viajamos para namorar a Terra. E já são 40 anos de arrastar as asas por sua natureza, pelos lugares que fizeram história, ou pela cultura de sua gente. Desses encontros nasceu a Viramundo e Mundovirado.