Oito das mais belas cachoeiras do nosso planeta
53084
post-template-default,single,single-post,postid-53084,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_updown,page_not_loaded,,borderland-ver-1.13, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,paspartu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Oito cachoeiras soberanas, ao redor do mundo, que dão um banho na alma

Gulfoss

Oito cachoeiras soberanas, ao redor do mundo, que dão um banho na alma

Por trás da seleção das mais famosas cachoeiras do mundo, se esconde uma lista com algumas quedas-d’água tão inimagináveis que parecem saídas de contos de ficção.

1- Cuquenan – Venezuela

Cuquenan

A Cachoeira de Cuquenan, localizada no Parque Nacional de Canaima, próxima do Monte Roraima, não tem a fama de seu primo – Salto Angel – que com seus 979 metros é a mais alta queda-d`água contínua do mundo. Mas perde por pouco, seus 610 metros a colocam em quarto lugar. A falta de divulgação se deve mais à dificuldade de acesso que por sua imponência.

2- Gulfoss – Islândia

Gulfoss

Formada pelo glacial Langjokull, e localizada no Canyon de Hvitá, a 100 km da capital Reykjavik, Gulfoss é um dos pontos turísticos mais procurado do país, graças a facilidade de seu acesso e por suas majestosas cachoeiras em degraus. De pequena altura, 32 metros, mas poderosa pelo volume de água e ensurdecedor estrondo.

3- Oshi – Guiana

Salto de Oshi
Também conhecida como Cachoeira Rei George VI, Salto de Oshi se destaca pela combinação de altura (488 metros) com grande volume, formando uma das mais impressionantes quedas-d’água do mundo. Formada pelo rio Oshi, só pode ser alcançada por experientes guias.

4- Gavarnie – França

Gavarnie

Famosa na Europa, por ser a nona mais alta do mundo (422 metros) e a maior do continente, Gavarnie é um paraíso para aventureiros, pois permite ser alcançada por trilhas próprias para bikes, ou trekking. Conhecida como Grande Cascata de Gavarnie, ela nasce do degelo de um glacial nos Pirineus do lado espanhol.

5- Seljalandsfoss – Islândia

Islândia

A beleza, quase inominável, dessa cachoeira se deve ao rio Seljalands, que por sua vez tem origem no mal-humorado, e de nome quase impronunciável, vulcão Eyajafjallajokull, aquele mesmo cuja erupção em 2010 deixou a Europa sobressaltada.
Chega-se facilmente até ela pela principal rodovia do país (a Rota 1). Essa cachoeira esconde outra espetacular visão quando observada de uma pequena caverna que sai quase embaixo de sua queda-d’água de 60 metros de altura.

6- Kaieteur – Guiana

Kaieteur

Numa das florestas mais prístinas da Amazônia, no coração desse país, surge a cachoeira de Kaieteur, formada pelo rio Potaro. Quase inexplorada devido a dificuldade extrema de acesso, pois são necessários no mínimo três dias de uma jornada a pé e de barco, para se maravilhar com essa cachoeira de 226 metros de altura.
Para aqueles que pretendem um dia se aventurar por aquelas bandas, a dica é procurar os guias especializados da Wilderness Explorers, na Guiana.

7- Tugela – África do Sul

Tugela

Tugela Falls está listada como a 2ª maior queda d’água do mundo com 948 metros de altura. Localizada em Drakensberg, no Real Parque Nacional do Natal, África do Sul, essa cachoeira oferece aos visitantes um dos mais bonitos espetáculos da natureza, quando no inverno ela pode se congelar por inteiro. Imagine o fascínio de uma faixa de gelo, de quase um quilômetro de extensão, na vertical, riscando as rochas da montanha.

8- Sutherland – Nova Zelândia

Sutherland

Localizada em um dos parques nacionais mais vibrantes do mundo – Fiordland National Park – na ilha do Sul, na Nova Zelândia, essa cachoeira nos remete ao mundo mágico dos hobbits, da trilogia “Senhor dos Anéis”, do escritor J.R.R.Tolkien, tal sua encantadora visão. Se você tiver sorte de vê-la parcialmente encoberta pelas névoas, a impressão é que a cachoeira jorra suas águas diretamente das nuvens. São três quedas que fluem de um glacial e que despencam de uma altura de 580 metros, e que fazem dessa queda-d’água a quinta mais alta do mundo.
Finalizamos com a Sutherland nossa escolha, quase aleatória, de oito cachoeiras que denominamos soberanas, mas cientes que essa relação representa apenas uma parte das quedas-d’água cuja beleza é indescritível.

Heitor e Silvia Reali

Viajamos para namorar a Terra. E já são 40 anos de arrastar as asas por sua natureza, pelos lugares que fizeram história, ou pela cultura de sua gente. Desses encontros nasceu a Viramundo e Mundovirado.