Empanadas
53325
post-template-default,single,single-post,postid-53325,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_updown,page_not_loaded,,borderland-ver-1.13, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,paspartu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

O primo gringo da empanada

Empanadas

O primo gringo da empanada

À primeira vista empatam na aparência: a mesma cor dourada, o igual formato de meia lua fechada de um lado, e bordas onduladas. Variam de tamanho e de recheio. Só que o parente distante tem nome mais pomposo: cornish pasty. Podem ser também considerados ‘farinha do mesmo saco’ se pensarmos em seu ancestral mais remoto – a torta ou o pastelão, iguaria nas cortes francesa e inglesa do século 14.

Cornish pasty

Quer saber como e quando tal iguaria acabou se transformando em uma espécie de pastel rústico? Conta-se uma historinha que tem tudo para ser verdadeira. Cerca de 300 anos atrás, as mulheres dos trabalhadores nas minas de cobre e estanho na região da Cornualha, Inglaterra, teriam decidido reduzir o tamanho dos pastelões. E por quê? Os mineiros desciam às profundezas da terra munidos de pás e picaretas e não podiam carregar o farnel com a boia, além de prato e talheres. Como ficavam o dia todo naquele caldeirão, necessitavam de um prato de sustança, que garantisse a labuta pesada e também desse um pouco de alento naqueles túneis estreitos e insalubres.

Empanadas da região argentina de Chubut

Nascia assim o cornish pasty – uma refeição completa. Dispensava o uso de talheres, podia ser reaquecido na chama de uma vela, além de ser facilmente transportado.
A massa é feita de farinha de trigo, manteiga e sal, e aberta em forma de um círculo onde se colocam os ingredientes crus. Dobra-se ao meio fechando firmemente as bordas para que o recheio encorpado não vase, e vai ao forno para assar.

O recheio tradicional se compunha de carne cortada em pedaços pequenos, batata picada, ovos cozidos, pedaços de rutabaga, uma espécie de nabo sueco, cebola em rodelas, sal e pimenta. Mas as cozinheiras utilizavam o que estivesse à mão, e também para que o sabor não fosse sempre o mesmo. Podia ser carne de porco, coelho ou frango, algum vegetal de época, como ervilhas ou cenouras, queijo e maçãs. Há até mesmo um antigo ditado popular versejando que o Diabo não se atrevia a cruzar o Rio Tamar, que faz divisa entre os condados da Cornualha e Devon, com medo de acabar em rodelas dentro de um cornish pasty.

Empanadas jujeñas prontas para entrar no forno


Consagrado como prato tradicional da Cornualha, em 2011 recebeu a sigla que lhe garante status, o PGI – Protected Geographical Indication, classificação europeia de proteção a um produto regional com qualidades específicas. Sabe o que mais? Quando as minas eram abandonadas e os trabalhadores enviados a outros lugares do mundo, levavam consigo a receita do cornish pasty.
E agora, como é que vou dizer aos nossos hermanos argentinos e chilenos que a empanada deve ser uma versão latina do pastel da Cornualha?

Heitor e Silvia Reali

Viajamos para namorar a Terra. E já são 40 anos de arrastar as asas por sua natureza, pelos lugares que fizeram história, ou pela cultura de sua gente. Desses encontros nasceu a Viramundo e Mundovirado.