Mônaco e o mito do automóvel
53279
post-template-default,single,single-post,postid-53279,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_updown,page_not_loaded,,borderland-ver-1.13, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,paspartu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Mônaco e o mito do automóvel

Mônaco

Mônaco e o mito do automóvel

A cena só podia ser definida como surreal: eu em uma concessionária Aston Martin pedindo para fazer um test drive no modelo DB 11, o xodó do último Salão de Automóvel de Genebra. Mas o que tem de tão fantasioso nisso? É que a loja ficava na Av. Princesse Grace, em Monte-Carlo, no Principado de Mônaco.

Mônaco

A pé, de curva em curva e a deriva, vou descendo da Place du Casino, o ponto mais icônico do principado, onde se localiza o Hotel Paris e o Casino, até meu hotel que ficava no final da Av. Princesse Grace. No trajeto vou topando com uma sequência de carrões. Sorry people, mas Mercedes, Audi e BMW, ali, devem ser carros populares, tal a quantidade dessas marcas.

Mas entre elas se revezavam carros cultuados como Jaguar, Porche, Maserati, Rolls Royce, Ferrari… Não sou muito ligado em automóveis, mas impossível ficar indiferente ao ver aquelas obras-primas com seus tons metálicos e reluzentes. Esqueça o Brasil que se perpetuou em quatro cores (gelo, preto, vermelho e cinza). Os carros dali têm uma paleta que já mostra sua realeza: de uma cor só ou duas, entre azuis, verdes, tons terra, bronze, ameixa, sépia …

Foi quando aconteceu.

Aston Martin DB11

A Av. Princesse Grace reúne uma infinidade de concessionárias de carros luxuosos, umas ao lado das outras, e depois de passar pelas vitrines dos Bentley (carro oficial da família real britânica), McLaren, Lamborghini, surtei no showroom da loja dos Aston Martin.

Sou daqueles caras que precisa participar se quero perceber tudo. E, aí entrei na loja, fui direto ao vendedor e perguntei na lata: “É possível fazer um test drive naquele modelo ali? ” Com cara de paisagem japonesa, mas educadamente ele disse não. “Não fazemos test drive, pois as pessoas já conhecem muito bem a marca”. Não desisti.

Quando minha imaginação se mistura com a realidade, vou ainda mais longe. Como tinha visto uma placa de Rent a car, devolvi a resposta. “Então quanto fica o aluguel por um dia? ” Quando ouvi o preço meu cartão de crédito derreteu antes que fizesse uma loucura. Retruquei à la ‘Agente 89’: “e por uma hora? ”.

Mônaco

O automóvel continua sendo o símbolo máximo das sociedades modernas. Nenhum outro objeto tem igual riqueza de significados que mistura prazer e poder. Foi decantado na literatura, no cinema e até na arte moderna. O automóvel caracteriza o homem e vice-versa. E, que carros bonitos fascinam as mulheres… hoje ainda não é assim?

Isso sem contar a libido ao volante. Os psicanalistas conhecem a importância do automóvel em nossa paisagem inconsciente. E nem precisa deitar no sofá de Freud para descobrir o prazer dos roncos dos motores, e por que muitos motoristas europeus repelem a mudança hidramática, que é a preferida dos americanos. Simplesmente porque os símbolos de virilidade diferem. Cada um tem a caixa de marchas que deseja.

Mônaco

O carro em Mônaco também é cultura, pois, a arte sobre rodas sempre esteve presente no principado. Em épocas passadas, as ruas sinuosas de Mônaco eram percorridas por Hispanos Suiza, Packard, Facel Vega, Delage, e tantos outras obras-primas que hoje não existem mais, dirigidas por reis, condes, duques e magnatas.

Mesmo se você não curte considere uma visita à “Coleção de Carros do Príncipe”.  Esta, abriga desde calhambeques do início do século passado, que custam verdadeiras fortunas, passando por carros mais recentes até o espaço dedicado à “Fórmula 1”. Ali rende-se homenagem a Ayrton Senna e aos McLaren que deram ao campeão brasileiro a marca invejável de seis Grandes Prêmios de Mônaco.

E por falar em Grand Prix de Fórmula 1, o Circuito de Mônaco, com suas 18 curvas, realizado desde 1929, sempre foi o mais charmoso dos Grandes Prêmios.

Mônaco

A melhor história de Mônaco envolvendo carros, acredito ser a do casamento, em 1956, do Príncipe de Mônaco, Rainier III com a atriz Grace Kelly. Conta-se que o príncipe ao assistir um ano antes o filme “Ladrão de Casaca”, do diretor Hitchcock, se enamorou de uma cena.

Nesta, Grace (tão bonita e diafanamente vestida por Edith Head) dirige em vertiginosa disparada o conversível Sunbeam-Alpine MK, perseguida pelo Citroen da polícia niçarda. As imagens encantaram Rainier III, que saiu eufórico da sala de projeção. Não se sabe se pelo automóvel ou pela beleza real de Grace. Na dúvida levou os dois.
Mônaco

Considere quando ir:

Como chegar:
Para entrar no clima de Mônaco, voe de helicóptero do aeroporto de Nice a Monte Carlo. Pela Monacair, www.monacair.mc se você tiver 300 euros, eles te dão 20 de troco para um round trip

Onde ficar:
Monte-Carlo Bay Hotel & Resort, Av. Princesse Grace, 40. Localização e vista excelente do Principado. Transfer de 20 em 20 minutos para a Praça do Casino

Onde Comer:
L´Orange Vert, Av. Princesse Grace, 40
Buddha Bar, Place du Casino, 9800. Não deixe de degustar a fina cozinha asiática desse restaurante que tem como ponto alto sua decoração
American Bar, Hotel de Paris, Place du Casino, 9800. Lugar ideal para uma happy hour, com aperitivos e acepipes ao som de live jazz

Mais informações:
www.visitmonaco.com

*Matéria publicada originalmente em nosso blog Viagens.Plásticas do Viagem.Estadao

Heitor e Silvia Reali

Viajamos para namorar a Terra. E já são 40 anos de arrastar as asas por sua natureza, pelos lugares que fizeram história, ou pela cultura de sua gente. Desses encontros nasceu a Viramundo e Mundovirado.