Voar não faz parte apenas do currículo das feiticeiras
52196
post-template-default,single,single-post,postid-52196,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_updown,page_not_loaded,,borderland-ver-1.13, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,paspartu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Et Voilà!

Parapente no Morro do Careca, Camboriu

Et Voilà!

Voar fazia parte apenas do currículo das velhas feiticeiras. Com treino e um hocus pocus bem pronunciado, se deleitavam nos céus. Mas em Balneário Camboriú, nem é preciso decorar fórmulas mágicas.

 

Do alto do Morro do Careca, instrutores transportam os não iniciados no universo do parapente. Com experiência em mais de cinco mil saltos, decolam levando os viajantes a uma peregrinação nos céus de Santa Catarina.

 

“É algo para se experimentar uma vez na vida”, me encoraja, categórico o instrutor “Xixi” arremedo de pássaro, um Ícaro barriga verde, mais para um vespão com aquele agigantado saco marrom às costas.

 

Morro do Careca, Camboriu

 

Talvez se o vento se aquietasse, ou fosse mais perto do chão, ou se … ia eu inventando desculpas para ganhar tempo. Enquanto isso, o filhote de Santos Dumont, saltava no vazio com os aventureiros munidos daquela inocência e coragem típicas dos irresponsáveis.

 

No final da tarde, todos já haviam mergulhado naquele azulzãozinho celestial. Só eu restava ali, desamparada no cocuruto pelado do morro. Foi quando o desajeitado passarolo com sadismo, imaginei, já me afivelava aquelas tralhas todas.

 

Péra um pouco, supliquei me agarrando na última clemência: o sol está se mandado. – “E daí guria, tu vai fazer o mais belo voo. Logo, logo, tudo vai ficar dourado: as águas do mar, o céu, o ar, e até o seu coração. Douradaço! Quer mais? Essa cor vai grudar na sua alma”. Tá, tá, tá bom, não penso mais. Vou.

 

 

Parapente no Morro do Careca
– “Corre, corre, corre, abre os braços, deixa os olhos bem abertos, vãoboraaaaaa”.

 

Upalalá, zummmm, ô- ôôôôô! Rodeada de azul por todos os lados e mais em cima e abaixo, fiquei cabriolando naquele transbordamento de azuis celeste, cobalto, anis e safira.

 

Bebo ou como a paisagem? Alguma vez já tive os pés no chão? Me acuda Violeta Parra! Como definir o que essa emoção fez comigo, você que voltou aos dezessete? ‘Cré, com cré, lé com lé, uma asa em cada pé’, como por encanto voltei aos seis. Até hoje, não assimilei completamente essa alada proeza.

cajuzinho

 

 

(Texto: Silvia Reali)

Heitor e Silvia Reali

Viajamos para namorar a Terra. E já são 40 anos de arrastar as asas por sua natureza, pelos lugares que fizeram história, ou pela cultura de sua gente. Desses encontros nasceu a Viramundo e Mundovirado.