El Valle de Antón, uma vila dentro da cratera de um vulcão
54042
post-template-default,single,single-post,postid-54042,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_updown,page_not_loaded,,borderland-ver-1.13, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,paspartu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

El Valle, uma vila dentro da cratera de um vulcão

Vale de Antón

El Valle, uma vila dentro da cratera de um vulcão

Não haveria lugar menos perigoso para se viver do que dentro da cratera de um vulcão? Mas na América Central, a 80 km da Cidade do Panamá, a vila de El Valle situa-se audaciosamente dento da cratera do vulcão Antón.

Villa de Antón

Vale de Antón
crédito: Lichenstein e Martins

 

Sua origem é explicada em uma lenda. Conta-se que há 900 anos o cacique Antón, da tribo dos Coclé, sabia da ambivalência de sua decisão ao estabelecer seu povo dentro dessa cratera. Se de um lado os paredões vulcânicos formavam uma proteção natural contra-ataques dos inimigos, sua terra fértil era excelente para a agricultura e as águas termais ótimas para a saúde, do outro lado havia constante ameaça do vulcão. Os xamãs resolveram então adormecer a filha do cacique com ervas especiais, determinado que ela só despertasse ao menor sinal de uma erupção para avisar a tempo os habitantes. O perfil rochoso nas bordas da montanha que se assemelha muito a uma jovem deitada, explica a história e o nome: Cerro Índia Dormida.

Vale de Antón

Rã-arlequim (atelopus varius)

 

No mercado dessa vila, vê-se que da terra rica em sulfatos e cinzas crescem bromélias e orquídeas raras e frutas como o marañon, tão sumoso que fica a dúvida se é para beber ou comer. Nas encostas do vulcão, na Reserva Biológica El Macho, pratica-se rapel em cachoeiras, tirolesa, escaladas e montanhismo, e pode-se admirar a pequena rã dourada (atelopus varius), que só existe ali, e se tornou símbolo de El Valle e do Panamá.

 

Você também pode se interessar por:

Rio Secreto e o submundo dos maias

 

Heitor e Silvia Reali

Viajamos para namorar a Terra. E já são 40 anos de arrastar as asas por sua natureza, pelos lugares que fizeram história, ou pela cultura de sua gente. Desses encontros nasceu a Viramundo e Mundovirado.