Chico dos doces
52227
post-template-default,single,single-post,postid-52227,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_updown,page_not_loaded,,borderland-ver-1.13, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,paspartu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Chico dos doces

Chico doceiro

Chico dos doces

Fruta + açúcar. Simples assim. Na ex-garagem o móvel envidraçado tem um quase nada de doces, pois os últimos foram vendidos como água. Moleza? Nenhuma. No fundo da sua lojinha em Tiradentes, detrás de uma formação de nuvens vindas do fogaréu da lenha, o mestre doceiro trabalha.

Nome: Francisco Xavier, talvez até descendente do alferes da Inconfidência. Apelido: Chico Doceiro. Pra lá de oitenta e … formiga, como se diz por lá aos que adoram doces. Melhor seria dizer formiguinha. Trabalha doze horas por dia.

Chico é magro e não é alto. Fica ainda menor atrás daquela erupção debaixo do tacho de cobre de cor amorangada. Dentro deste, o caldo doce aos borbotões. A quentura aumenta na mesma proporção que os movimentos dos braços fortes, moldados pelo mexer que não tem nem conta.

Chico doceiro

São de três a quatro horas mexendo, sendo que uma e meia sem parar. Daqui a pouco, quando as bolhas ficarem bem grandonas, tá pronto. Chico solta a mão direita da colherona de pau, que mais parece um remo, enquanto com a outra ajunta lenha debaixo do tacho.

No meio do bafo quente daquela forja, com seu avental e touca de mestre cuca brancos, é como uma nota de frescor. Acalma. O trabalho é árduo, mas tem que ser ao mesmo tempo delicado e constante. E dá-lhe-que-dá-lhe mexer.

Chico calcula tudo de olhada: os punhados de açúcar, a lenha e o ponto certo de apurar o doce. Calcula principalmente a hora de começar, pois o cheiro bom que exala do tacho tem que ser capaz de atiçar a freguesia. Essa hora é no meio da manhã ou da tarde quando os visitantes já subiram e desceram as ladeiras da cidade e precisam repor energias. E aí a lojinha fica apinhada de gente!

Os famosos canudinhos do Chico Doceiro

Os famosos canudinhos do Chico Doceiro

A terra mineira é farta em frutas que viram doces ou compotas como, figo, mamão, laranja, limão e goiaba. Mas ainda tem batata-doce, abóbora e coco. Sem contar no que esbanja em leite.

Daí os famosos ‘canudinhos’, doce da época do arco da velha, mas Chico deu uma incrementada, e faz perto de 600 por dia. É de comer e chorar por mais. É para levar para casa, e quando bater saudade, comer de colheradas para reacender a lembrança do clima gostoso que reina em Tiradentes.
cajuzinho

Tiradentes

Tiradentes

Onde:
Doceira do Chico: rua Francisco Pereira Morais, 74, tel. 32-3355-1900

Heitor e Silvia Reali

Viajamos para namorar a Terra. E já são 40 anos de arrastar as asas por sua natureza, pelos lugares que fizeram história, ou pela cultura de sua gente. Desses encontros nasceu a Viramundo e Mundovirado.